Arquivo da tag: alimentos

Nada de papinhas e sopas: introdução alimentar e BLW

Nas minhas pesquisas e leituras sobre o universo infantil descobri algo novo que me deixou totalmente encantada: o BLW (Baby-Led Weaning), a introdução alimentar guiada pelo bebê. Trata-se de deixar a criança explorar as texturas e os sabores dos alimentos com as próprias mãos, a partir dos 6 meses. O método é uma alternativa às papinhas e sopas, geralmente oferecidas pelo cuidador com uma colher.

Alguns princípios do BLW:

– Amamentação como base: a fase inicial da alimentação, a partir dos 6 meses, consiste em uma experimentação. Assim, o leite materno deve continuar sendo a base alimentar do bebê. O resto é complementar.

– Descoberta da comida: o BLW permite que o bebê utilize o seu desejo de explorar, de experimentar e de imitar as atividades dos outros. Assim, a criança define o ritmo de cada refeição e prepara-se para a transição para os sólidos da forma mais natural possível.

– Experiência completa: bebês que comem sozinhos têm mais do que apenas o sabor do alimento para focar – experimentam também textura, cor, tamanho e forma.

Dicas práticas para começar o BLW:

  1. Coloque o bebê sentado no colo ou em uma cadeira específica.
  2. Ofereça o alimento e deixe o bebê livre para manuseá-lo.
  3. Comece com alimentos fáceis de pegar, como palitos de cenoura.
  4. Faça com que o bebê participe da refeição familiar.
  5. Escolha momentos em que o bebê não esteja cansado ou com fome, para que ele possa se concentrar.
  6. Continue amamentando ou oferecendo a fórmula como antes. O leite ainda é a principal fonte de nutrientes do bebê, até o primeiro ano de vida. Quando ele precisar mamar menos, vai reduzir por si mesmo.
  7. Disponibilize água durante as refeições.
  8. Não apresse ou distraia o bebê enquanto ele estiver lidando com o alimento.
  9. Não coloque comida na boca do bebê e não tente convencê-lo ou forçá-lo a comer mais do que ele quer.

Adaptado do livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food, de Gill Rapley.

Já conheciam o método? O que acharam?

Eu gostei bastante e para mim fez muito sentido. Inclusive, começamos algumas tentativas com a Clara. No próximo post conto mais como está sendo o processo de introdução alimentar aqui em casa.

Anúncios

Sucos, papinhas e dúvidas

Terça levei o Vítor no pediatra para a consulta de 4 meses. Peso OK. Crescimento OK. Desenvolvimento OK. Daí que o médico olha pra mim e diz: “Agora ele já pode começar a comer frutinhas e tomar suquinhos. Daqui 15 dias pode dar caldinho de feijão”. WHAT???

Sim, fiquei assustada. Eu já imaginava que ele iria liberar logo suco e papinha doce (o feijão nem imaginava que seria agora), porém penso que é muito cedo, não sinto que ele está pronto (a mãe dele pelo menos não está!).

Procurei na internet e li alguns artigos sobre a hora de introduzir alimentos. Confesso que não foi o suficiente para me convencer de que já devo começar. Inclusive achei interessante o que vi sobre esperar o bebê conseguir sentar bem para então oferecer as primeiras papinhas. Acredito que seja mais ou menos por aí (Vítor já senta, mas encostado no canto do sofá ou alguma almofada, a cabeça ainda não está 100% firme).

Uma coisa que mexe comigo é que em breve (daqui uns 20 dias no máximo) o Vítor vai começar a ir na escolinha. E não queria que ele começasse a comer lá (eles só introduzem alimentos quando a mãe autoriza, porém se eu não começar agora em casa o início da fase das papinhas vai acontecer na escola mesmo).

Não quero perder esse momento com o meu filho e ficar sabendo do que ele gosta ou não através de um bilhete da professora. Queria poder curtir cada careta, cada sorriso, cada risadinha.

Agora não sei o que faço. A única decisão que tomei é que vou começar (já comecei na verdade, no dia que ele fez 4 meses) a oferecer suquinho de laranja para o Vítor. Acho que vai ser bom, pois ele está tomando mais complemento do que antes e por isso fica meio trancadinho.

Sugestões? Comentários? Luz no fim do túnel?

E aqui algumas imagens do primeiro suco de laranja do Vítor:


(pai, deixa que eu sei segurar sozinho)


(eca, que coisa azeda é essa?)


(olha que bonito que eu sou, mãe)