Arquivo da tag: icterícia

Crescimento

Sexta, dia 10, o Vítor completou 2 meses. Eu já percebo uma grande evolução desde que ele nasceu. E não é apenas em relação ao tamanho, mas também no que se refere ao desenvolvimento dele.

Fica aqui um pouquinhos dos nossos 2 primeiros meses com o nosso pitoco 🙂

Com 1 mês:

– Gostava de ser ninado no colo para dormir.
– Começou a dormir 6 horas seguidas (ou mais) na terceira semana (para a felicidade geral da casa).
– Nos primeiros dias não curtia muito o banho (chorava bastante, tanto na água quanto na hora de colocar a roupa).
– Experimentou o banho de chuveiro e adorou.
– Ficava com frio na hora de trocar a fralda (pela falta de prática da mãe que levava horas para completar a tarefa).
– Teve a primeira gripe.
– Curou a icterícia.
– Começou a tomar complemento de NAN na mamadeira (geralmente 1 vez por dia).
– Fechou o mês com 4,220 quilos e 52 cm.

Com 2 meses:

– Geralmente dorme sendo embalado no carrinho.
– Durante o dia pega no sono sozinho, deitadinho no carrinho ou no bebê conforto.
– Ainda passa a noite no quarto da mamãe.
– Está com o sono bem regularizado.
– Experimentou o banho de balde e amou!
– Não chora mais para tomar banho, pelo contrário… já começa a sorrir na hora de tirar a roupa.
– Não teve assaduras.
– Fica olhando para o móbile e sorrindo na hora de trocar a fralda.
– Teve dor de ouvido.
– Ficou ruinzinho da barriga e seguindo orientação do pediatra tomou chá de ameixa (sem careta!).
Sorri quando a gente conversa com ele.
– Começou a firmar o pescoço (algo meio dancinha Fat Family).
– É fascinado por luzes e lustres.
– Repara nos ambientes (fica observando logo que chega em algum lugar diferente).
– Assiste televisão (adora seus DVDS com musiquinhas).
– Conheceu os avós paulistas.
– Adora passear no sling com a mamãe e o Dexter.
– Fechou o mês com 5,280 quilos e 53 cm.

Anúncios

Rápidas super rápidas antes que o bebê chore

Gente! Novidade: vou ser estrela de um filme. O nome já foi escolhido: “História de uma mãe panda. Baseada em uma noite não dormida”.

***

Um aviso: a história não é nenhum romance, é drama. Drama puro!

***

Agora vou falar sério: tô fazendo um intensivo especial para mães de primeira viagem. A primeira aula foi icterícia (confira a matéria aqui e aqui). Depois veio gripe e refluxo. O conteúdo problema da vez é infecção no ouvido.

***

Vítor tá ruim, ruim. Tadinho, a dor no ouvido atacou mesmo. Segundo o pediatra é tudo culpa do maldito refluxo. Leitinho volta e fica em um canal atrás do ouvido. Daí dá merda inflama.

***

E a mamãe, como fica? Um CA-CO! Noite passada dormi 40 minutos. Exatamente… 40 míseros minutinhos e ainda nem foi tudo de uma vez. Foram 20 às 4 da manhã e mais 20 às 7. O resto da noite? Buá, buá, buá, nhé, nhé (e muito tapas na cara da mãe e puxões de cabelo raivosos de um babyzinho louco de tanta dor).

***

E para completar tenho outras novidades. Uma boa e uma ruim. Qual vocês querem primeiro?

***

Tá, vou começar pela boa! Eu vou ser titia! Isso mesmo, a irmã do Fábio está grávida de 6 semanas. Família feliz e muitos vivas!

***

Já dei um conselho pra ela: dorme, cunhada! Dorme porque depois o bicho pega. Com sorte tu vai conseguir dormir direito quando teu filho tiver uns 25 anos (isso se ele não tiver um filho chorando no colo e te ligar de madrugada desesperado pra perguntar o que fazer – sim, eu fiz isso ontem, liguei para mãezinha).

***

Ah, agora a novidade ruim. Descobri estrias atrás do joelho. RÁ! Isso só acontece comigo, né?! Diz que não, por favor!

O hospital

E daí que não escapamos de passar um dia no hospital em função da icterícia do Vítor. Achamos (eu, o Fábio e o pediatra) que a situação seria revertida com banho de luz em casa. No entanto, depois de 17 dias de vida ele continuava amarelinho e o problema já estava se prolongando demais.

Levei o pequeno para fazer o exame de bilirrubina e diante do resultado o médico decidiu internar o Vítor para fazer fototerapia.

Bilirrubina é pigmento amarelo gerado pelas células vermelhas do sangue, a pessoa fica com icterícia quando a formação de bilirrubina é maior do que o fígado consegue metabolizar. Informações do “ABC da Saúde“.

Fomos então para o hospital por volta das 7 e meia da noite. Lá pelas 9 e pouco montaram o equipamento no quarto (incubadora e sistema de luzes). Era hora de tirar a roupinha do Vítor, colocar uma venda nos olhos dele (para proteger da iluminação direta) e acomodá-lo na caminha. Aí começou o terror.

Ele simplesmente ficou desesperado, tanto quanto a mãe dele. Chorava, esperneava, mexia loucamente os braçinhos. Comecei a ficar agoniada e já não gostei daquele negócio. Vi que a noite não seria nada fácil. Eu estava enganada… seria pior do que eu imaginava.

Durante a madrugada a incubadora aqueceu demais, o equipamento foi trocado, o Vítor mamou com dificuldade, meu leite não foi suficiente (acredito que pelo nervosismo o negócio “trancou” um pouco), tentamos dar NAN, ele não aceitou, vomitou tudo, chorou e esperneou mais um pouco. E como se tudo isso não fosse o bastante ainda nos incomodamos com a equipe de enfermagem.

Exatamente! Quando a incubadora foi trocada uma enfermeira monstra colocou o meu filho lá dentro sem antes esperar aquecer. Nem vou falar da grosseria da criatura, isso renderia muitas linhas. Ele ficou inquieto e quando o Fábio tocou a mão dele viu que estava gelada. O pequeno começou a espirrar e tremer o queixo.

Já era cerca de 4 horas da manhã e nós estávamos acabados, com fome, sono, de saco cheio! Olhei para o Fábio e disse: “Chega, vamos para casa”. Peguei o Vítor, tirei a venda e o vesti. Fomos até o posto de enfermagem e falamos que queríamos ir embora.

A enfermeira que estava lá disse que teria que chamar a supervisora de plantão. A responsável foi até o quarto conversar com a gente e nos explicou os riscos de interromper o tratamento. Ela escutou nossas reclamações e prometeu que iria verificar os problemas que aconteceram com a incubadora e a situação com os profissionais que nos atenderam.

Decidimos continuar no hospital com a fototerapia. Eu fui para casa dormir um pouco, pois estava num desgaste físico e emocional sem tamanho. O Fábio ficou com o Vítor e prometeu que qualquer coisa me ligaria.

Cheguei em casa às 5 e meia da manhã e dormi até às 8 e meia. Depois voltei correndo para o hospital para amamentar. Foi a vez do Fábio ir um pouco para casa.

Eu já estava mais calma e acho que consegui passar um pouco da minha tranquilidade para o Vítor. Ele finalmente ficou quietinho na incubadora, dormiu e mamou melhor.

No fim da tarde o pediatra foi ver como o bebê estava. Felizmente ele nos liberou e voltamos para casa. Ficamos no hospital menos de 24 horas e o Vítor melhorou da icterícia.

Foi uma experiência e tanto. Maior dó ver meu filhinho sofrendo daquele jeito. Pior ainda ter que aguentar tudo pelo bem dele. Mas enfim… o que importa agora é que ele tá bem e juntinho da gente em casa, onde é o lugar dele!

Meu pintinho amarelinho

E não é que o Vítor está com icterícia, o conhecido amarelão?!

Pois é. Tudo começou um dia depois que chegamos em casa. No hospital o pediatra já tinha nos pedido para deixá-lo na luz, nada de levar em consideração aquele papo de vó de manter o bebê sempre no escurinho.

Seguimos o conselho, mas mesmo assim ele começou a ficar com o rosto amarelado. Porém, sabe como é… pais de primeira viagem acham que o filho é o ser mais perfeito, lindo e maravilhoso da face da terra e não conseguem fazer outra coisa além de babar na cria. Eu e o Fábio não tivemos a capacidade de observar que o Vítor estava com a pele diferente, foram as visitas que começaram a comentar.

Abre parênteses.

Pra chegar no ponto dos outros nos falarem é porque a pele da criança realmente estava BEM amarelinha. Quando alguém comentava falava cheio de cuidado para que a gente não levasse a mal ou ficasse ofendido com a observação.

Claro que a gente não ficou chateado com nenhum comentário, pelo contrário. Diante disso que procuramos o pediatra e descobrimos que realmente era icterícia.

Fecha parênteses.

Marcamos consulta no pediatra e começamos o tratamento. Basicamente o negócio é manter o pequeno sempre na claridade, seja natural ou próximo de uma lâmpada acesa. Além disso, estou tomando chá de raiz de salsa, segundo o médico vai ajudar para que ele melhore mais rápido.

Agora é só esperar. Segunda temos consulta de novo. Espero que ele já esteja melhor e não precise fazer banho de luz no hospital.

Alguém já passou por isso?! #comofas?