Arquivo da tag: Natal

Jogo das múltiplas incoerências: quantas você consegue contar?

Recebi de uma leitora através da página do blog no Facebook o vídeo institucional do hospital Promater, de Natal/RN. Assisti e fiquei chocada com o ponto em que as coisas chegaram. Fui olhando e percebendo todo absurdo traduzido em imagens.

Primeiro, fico espantada com o fato de um hospital fazer um institucional incentivando e tratando com toda naturalidade uma cesárea. As instituições de saúde deveriam seguir as orientações de órgãos superiores, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), que indica um índice de 15% de cesarianas, referência adotada também pelo Ministério da Saúde.

Segundo, o bebê é mostrado como um prêmio para uma verdadeira plateia que o aguarda. Isso não me parece nada respeitoso com a criança que acaba de nascer e que deveria estar perto da mãe, sendo acalentada e amamentada.

Engraçado que é justamente esse “respeito” que a maternidade declara no fim do vídeo. “Carinho e respeito”. Francamente, parece ser assim?

Acho importante destacar que não estou condenando quem faz uma cesárea ou entrando na discussão parto normal x cesariana. Apenas estou manifestando meu repúdio a um vídeo de uma instituição de saúde que coloca uma cirúrgia como banal e como uma verdadeiro “serviço” oferecido, um processo de entrega de bebês.

Pelo respeito ao nascimento.

Anúncios

O primeiro Natal

Que todo Natal tenha a mesma magia deste primeiro. E assim como a Pat disse, que o Papai Noel traga durante 2012 muitos bebezinhos para a blogosfera materna (ou seria tarefa esta para a cegonha?!). Enfim, ocitocina para todas nós!

 

Então que o fim do ano me pegou

Não teve jeito. Não consegui escapar do clima “o ano termina e nasce outra vez”. Subitamente fui pega por vontades contraditórias e sentimentos nostálgicos, além de pensar em uma lista de to dos para 2012.

Acontece que este ano foi totalmente novo para mim. Uma avalanche de descobertas. Lento e contínuo processo de adaptação a uma velha nova cidade. Sem falar em gravidez, parto, bebê, trabalho, estudo. Tudo junto. Ao mesmo tempo. Avassalador.

Certamente o processo de me tornar mãe foi o grande marco. É algo que reforçou tudo que acredito e tenho vontade de fazer. Que me fez perceber as sutilezas da vida. Que me fez melhor, pelo menos para mim e para a minha família.

Diante disto, o que espero para 2012? Amor. Quero poder fazer o que eu gosto e tenho vontade. De coração. Com um entusiasmo apaixonante.

Desejo o mesmo para todos que me cercam. Muitas emoções! E que venha o próximo ano! Depois da minha mini crise existencial natalina acho que estou pronta :]

Nós não somos pobres, somos sustentáveis

OU

Mais sobre consumo

***

A frase do título foi uma pérola do Fábio. A gente estava conversando sobre Natal, presentes e consumo quando falei que éramos uma família sustentável! A relação dele foi imediata: “Então não somos pobres, podemos dizer que somos sustentáveis”.

***

Na nossa casa é regra é simples: reaproveitamento. Não temos condições de encher o apartamento de bugigangas e produtos caros. Então, adoramos quando chega aquela sacola imensa de roupa usada do meu afilhado.

Posso dizer que não comprei NA-DA de móveis ou acessórios para o Vítor. Carrinho e bebê conforto do meu afilhado. Cadeirão e cercadinho da minha irmã. Berço, carrinho de passeio, cadeirinha de carro e babá eletrônica da minha prima. Demais itens, como armário e trocador, foram presentes do Natal passado, quando eu estava grávida.

***

Uma das coisas que eu quero ensinar para o Vítor é que não precisamos de uma data para comemorar, para presentear, para fazer feliz quem amamos. Isto deve ser uma prática quase que diária. Surpreender as pessoas que estão ao nosso redor. Surpreender a si mesmo. E o mais importante: por vontade própria, nunca para mostrar o que somos ou o que temos. Mas por um desejo interno de ser feliz e fazer os outros felizes. Sem aparências. Sem máscaras.

***

Beijos e bom fim de semana!

A festa da escolinha

Você, querida mãe, que acha que já aturou de tudo nesta curta vida materna, desde xixi na roupa, cocôs variados e jatos de vômito, saiba que o pior está por vir: as festas da escolinha. Sim, um bando de pais atrapalhados com a filmadora e mães tentando se equilibrar em cima de um salto 15 com um bebê no colo e a cinta pós parto apertando tanto abaixo do peito que é possível ver a gracha transbordando pelas laterais do vestido (estampado, óbvio).

Eu e o Fábio não podíamos quebrar a regra na noite de hoje, na festa de Natal do Vítor. Fomos devidamente disfarçados de pais. Mamãezinha com modelito de florzinhas. Papai com a câmera pendurada no pescoço.

Juro que não vou reclamar do horário inadequado da festa (20h30min, hora que certamente muitos dos bebês já estão indo dormir), da música alta (muito alta, diga-se de passagem) e do playlist duvidoso (qual criança não gosta de sertanejo universitário, né?). Quero me deter a um pequeno (gigante) detalhe: os presentes.

A direção da escola solicitou que cada família mandasse um presentinho (inho mesmo) para que o Papai Noel entregasse para a criança, como um ato simbólico. Até aqui tudo bem, embora eu considere desnecessária a associação imediata de Papai Noel com presente. Acontece que ao passar ao lado da mesa dos embrulhos notei o tamanho das embalagens. Simplesmente gigantes! E como se não bastasse pude ver uma bicicleta separada para o bom velhinho dar para um dos alunos. Uma BI-CI-CLE-TA. Em uma festa escolar. Só eu acho o fato absurdo?

Antes de continuar uma pequena observação: não comprei nada para o Vítor ganhar na festa. Ele tem tudo que precisa, então peguei um dos seus brinquedos e coloquei em uma caixa colorida. Pensei que assim ele poderia ter seu primeiro contato com o Papai Noel (disputadíssimo, por sinal) e que iria se divertir com a embalagem, pois ele adora qualquer saco plástico, guardanapo ou caixinha de papelão.

Seguindo… Qual a necessidade de presentear uma criança em uma festa da escola com uma bicicleta? Mostrar para os outros que tem condições? Despertar a inveja em criancinhas inocentes em fase de formação moral e construção de valores? Plantar a sementinha do capitalismo selvagem e do consumismo no coração dos pequenos? Não vejo nenhuma explicação válida.

Daí o que eu fico pensando é na batalha que vai ser criar meu filho no meio de tudo isso. Sempre lutando contra a maré. Sempre sendo A chata que vê problema em tudo e reclama de tudo.

Mas quer saber? Eu adoro um desafio. E deste eu não abro mão. Bato pé e faço cara de má. Nem que tenha que enfrentar o Papai Noel, mas o que estiver ao meu alcance (e até um pouquinho além) eu vou fazer para que meu filho possa ter uma infância melhor. Menos exagerada. Mais simples. Com certeza muito feliz.