Arquivo da tag: parto normal

Jogo das múltiplas incoerências: quantas você consegue contar?

Recebi de uma leitora através da página do blog no Facebook o vídeo institucional do hospital Promater, de Natal/RN. Assisti e fiquei chocada com o ponto em que as coisas chegaram. Fui olhando e percebendo todo absurdo traduzido em imagens.

Primeiro, fico espantada com o fato de um hospital fazer um institucional incentivando e tratando com toda naturalidade uma cesárea. As instituições de saúde deveriam seguir as orientações de órgãos superiores, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), que indica um índice de 15% de cesarianas, referência adotada também pelo Ministério da Saúde.

Segundo, o bebê é mostrado como um prêmio para uma verdadeira plateia que o aguarda. Isso não me parece nada respeitoso com a criança que acaba de nascer e que deveria estar perto da mãe, sendo acalentada e amamentada.

Engraçado que é justamente esse “respeito” que a maternidade declara no fim do vídeo. “Carinho e respeito”. Francamente, parece ser assim?

Acho importante destacar que não estou condenando quem faz uma cesárea ou entrando na discussão parto normal x cesariana. Apenas estou manifestando meu repúdio a um vídeo de uma instituição de saúde que coloca uma cirúrgia como banal e como uma verdadeiro “serviço” oferecido, um processo de entrega de bebês.

Pelo respeito ao nascimento.

Mídia, espetáculo do real e o 12/12/12

Hoje, não muito surpresa, acompanhei umas quatro ou cinco reportagens em diferentes meios de comunicação sobre o boom de nascimentos agendados para 12/12/12. Todos os materiais que vi, tanto em sites quanto nos canais de televisão, tiveram a mesma abordagem. Trataram o aumento das cesáreas e ouviram mães com argumentos como “é uma data legal”, “representa sorte” e até algo do tipo “é fácil de lembrar”.

Como jornalista, fico impressionada com a falta de preocupação em mostrar o “outro lado”. Não vi destaque em pautas relatando o nascimento de um bebê através de parto normal. Vão me dizer que nenhuma criança nasceu “voluntariamente” hoje?

Outra possibilidade seria mostrar o grande número de cesáreas, mas entrevistar um profissional ponderando os riscos de um nascimento agendado. Como um alerta, uma informação de verdadeiro interesse público.

No entanto, em um país com índice de cesarianas muito acima do indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – que é de 15% – a notícia do boom passa batido para a maioria das pessoas. Afinal, a mídia é um reflexo da cultura e da sociedade e na contemporaneidade o procedimento já está internalizado na mente do grande público. De tal modo, nada mais natural do que tratar como espetáculo a cesárea e prestar um desserviço dando audiência para mães alienadas e médicos omissos.

É um desserviço uma vez que os brasileiros acreditam mais na mídia do que no governo, segundo pesquisa da agência de notícias Reuters, divulgada no artigo “A construção do real no telejornalismo: do lugar de segurança ao lugar de referência”, de Alfredo Eurico Vizeu Pereira Junior e João Carlos Correia. Segundo os autores, os resultados do estudo reforçam a importância de um olhar mais atento sobre o jornalismo, pois os conteúdos veiculados “contribuem diariamente, de forma relevante, para a construção de parte da realidade social da realidade brasileira”. Além disso, os pesquisadores ressaltam: “A imagem que a mídia constrói da realidade é resultado de uma atividade profissional de mediação vinculada a uma organização que se dedica basicamente a interpretar a realidade social e mediar os que fazem parte do espetáculo mundano e o público”.

Ou seja, é uma via de duas mãos. A mídia reflete os valores sociais e as pessoas legitimam através dos meios de comunicação determinados conceitos ou certas realidades.

Assim, as reportagens sobre os nascimentos no 12/12/12 simplesmente reforçam o que já sabemos: a cultura da cesárea tá aí, não dá para negar. Agora, eu pergunto: mas dá para mudar?

Penso que sim. Eu quero acreditar que sim.

Enquanto isso, faço a minha parte, como jornalista, como mãe e como pessoa preocupada com o respeito ao nascimento e à criança. O que está ao meu alcance é refletir, discutir e informar. E isso eu vou fazer sempre.

Meu caminho para um parto humanizado

Meu caminho para um parto humanizado teve início dentro de casa, com a minha família. Minha mãe teve três partos normais e esta passou a ser a minha referência, sempre foi o natural e automático, sem muitas reflexões.

Quando engravidei do Vítor comecei a ficar mais curiosa sobre o assunto. Busquei saber como era exatamente, como identificar o trabalho de parto, tudo que envolvia a hora do nascimento. Olhei diversos vídeos na internet, li uma centena de relatos em blogs. Sempre de parto normal, como se fosse a única possibilidade.

Já com cerca de 30 semana comecei a ter dilatação, o que reforçava a minha certeza interior de um parto normal. De fato a natureza foi muito generosa comigo. A bolsa estourou quando estava em casa, em um domingo à noite, e um pouco mais de uma hora depois estava com meu filho nos braços.

Apesar do parto normal do Vítor, a minha primeira experiência me mostrou muitas coisas. Foi incrível ver meu filho nascer através da minha própria força. Tive a convicção que precisava sentir tudo isso mais uma vez. No entanto, algumas coisas me marcaram, como o uso do fórceps e a episio. Marcaram meu corpo e minha alma. Fizeram eu perceber que em uma segunda vez tinha que ser diferente.

Logo que descobri a segunda gravidez comecei a trilhar um novo caminho, desta vez rumo ao parto humanizado. Mais do que nunca, busquei na informação toda a base necessária.

A maternidade me abriu os olhos e o coração. Agora posso dizer que estou preparada para me fortalecer na minha escolha: trazer a Clara ao mundo em um ambiente seguro, confortável, acolhedor. Um local onde nós duas, mãe e filha, sejamos respeitadas. Quero evitar todo e qualquer procedimento desnecessário, tanto em mim quanto nela. Mas quero, acima de tudo, sentir cada momento do nascer, da vida chegando de dentro de mim, de forma avassaladora, pura, natural. Que assim seja.

O parto

Na sexta, dia 8 de abril, eu completei 40 semanas de gravidez. A médica já tinha sugerido induzir o parto, pois eu estava muito ansiosa e as condições eram favoráveis (eu já tinha 4 cm de dilatação, o bebê estava baixo e o útero mais fino).

No entanto, eu não me sentia segura com a ideia da indução. Tinha medo de ser muito doloroso e de acabar em uma cesárea. Se isso acontecesse eu iria me sentir muito culpada depois. Conversei com o Fábio e decidimos não arriscar. Combinamos esperar mais um pouco por um parto normal (sem ocitocina sintética). Se o Vítor não chegasse até a data da próxima consulta, terça, dia 12, a gente iria do consultório direto para o hospital e acabaria induzindo parto normal. Ficaria de 2ª opção por mais uns dias.

O sábado, dia 9, foi tranquilo. Fui em um aniversário com a minha mãe, cheguei em casa pelas 7 da noite e o Fábio estava me esperando para a nossa caminhada diária (tentativa de incentivar o trabalho de parto). Andamos cerca de 4 quarterões e comecei a me sentir mal. Eram contrações mais fortes do que geralmente eu sentia. Sentamos um pouco e decidimos voltar pra casa. Cheguei e fui direto para o chuveiro, mas quando saí do banho já estava bem de novo.

Ficamos alerta durante toda noite, porém nenhuma mudança. Domingo, dia 10, acordei bem e saímos para almoçar. No fim da tarde passamos no meu primo para comemorar o aniversário dele. Não ficamos muito e seguimos para casa, eram umas 7 e meia da noite.

Cheguei, tomei um banho e sentei na sala com o notebook. Exatamente às 8 e 22 da noite senti uma contração mais forte. Levatei para ir no banheiro e… ploft! A bolsa rompeu.

Era água que não acabava mais (glamour parte 1). Olhei para o Fábio meio sem acreditar e ele correu para buscar uma toalha. Sentei no chão, peguei o celular e mandei uma mensagem de texto para a minha médica. Esperei um pouco e fui para o chuveiro enquanto o Fábio pegava as coisas que faltavam na mala da maternidade (escova de dente, escova de cabelo, etc.).

1º passeio na casa da bisa

Durante o tempo que fiquei no banho não sentia dor. Entretanto foi só fechar o chuveiro que as contrações vieram com intensidade total, uma depois da outra. Não tinha capacidade de contar o intervalo e nem me preocupei com isso. Coloquei o primeiro vestido que vi na minha frente e fomos para o hospital.

A médica chegou na mesma hora que a gente e me acompanhou até um quarto. Coloquei a camisola linda-modelo-bunda-de-fora (glamour parte 2). Ela me examinou e viu que eu já estava com 8 cm de dilatação. Eu sentia muita dor, não conseguia ficar deitava, nem sentada. Duas enfermeiras me prepararam para o parto, enquanto o Fábio estava cuidando da parte burocrática na recepção.

Fui para a sala de parto e perdi a noção de tempo. Meus únicos marcos naquela noite são: 8:22, hora que a bolsa estourou, e 9:39, hora que o Vítor nasceu.

Na sala de parto tentei me concentrar para respirar como a médica indicava. Eu fazia muita força quando começava a sentir a contração e lembro de reclamar várias vezes pelo calor do ambiente (glamour parte 3).

Era como se eu estivesse em um universo paralelo. Não conseguia falar direito, nem sequer pensar.

O bebê estava no canal de parto, mas vinha e voltava. Até que eu gritei que não aguentava mais (glamour parte 4) e a médica sugeriu a utilização do fórceps. Eu aceitei, acho que aceitaria qualquer coisa naquela hora.

A médica disse que eu sentiria uma pressão na hora que ela colocasse o fórceps, mas não senti nada. Mais uma contração. Empurra. Força. E… chegou. Som de um chorinho gostoso na sala. Era o meu filho que gritava. Ali estava o Vítor!

O Fábio trouxe ele para pertinho de mim. Peguei o Vítor no colo e ficamos ali juntinhos. Depois… tchau, mamãe. Ele foi para o berçário e só nos vimos mais tarde no quarto. Enquanto isso eu levei os pontos (5) e fui descansar um pouco.

No outro dia já recebemos alta. A semana foi bem tranquila. Ainda estamos nos adaptando, mas de modo geral tá tudo bem! Logo eu volto pra contar um pouquinho dos nossos primeiros dias!

O tal do parto

Conforme a gravidez vai evoluindo o tema parto fica cada vez mais frequente. É fantástico, mas todo mundo sabe pelo menos uma história de parto. É a vizinha que ganhou bebê no carro, a tia que sofreu por não sei quantas horas até o nascimento, a irmã que praticamente “jogou” a criança no mundo.

Falatórios ouvidos e registrados ou não, sei que quero ter parto normal.

Não quero filho com data e hora para chegar. Quero a surpresa das contrações. Quero a dúvida de ir para o hospital ou esperar mais um pouco. Quero a correria de pegar tudo e colocar no carro. Quero sentir as mal ditas dores.

É meu desejo, mas sei que talvez não aconteça do jeito que eu espero. Como diz a minha GO: é o bebê que escolhe, não a grávida. Algumas mães querem muito o parto normal, porém chega na hora e o neném não está na melhor posição ou algum outro fator não colabora. Daí não adianta, a opção é cesárea.

Entendo isso e também não julgo quem decide fazer cesárea logo de cara. É comum ouvir grávidas falarem: “Não me sinto confortável nem em pensar no parto normal, prefiro marcar direto a cesárea”. Paciência. Cada uma conhece o seu emocional e o seu corpo. Ninguém é menos mãe porque pariu assim ou assado. Sou do pensamento clichê master: mãe é de coração.

Anyway, já que meu desejo é o parto normal decidi me preparar para isso. Leio todos os relatos que encontro na internet, vejo todo tipo de vídeo (meio punk às vezes), procuro me informar ao máximo.

Fui no hospital onde o Vítor deve nascer e provavelmente em março vou conseguir fazer uma visita ao centro materno (que está em reforma no momento). Quero fazer todo o caminho desde a entrada no hospital até o quarto, conhecendo todos os procedimentos que vou passar no dia do parto.

Além disso, procurei ajuda de uma fisioterapeuta. Segundo minha GO, existem exercícios que podem ajudar na hora do parto. No entanto, é importante destacar que nada garante um parto normal, muito menos tranquilo, por mais preparada que a mamãe esteja. São apenas atividades para se conhecer e fortalecer a musculatura do períneo, o que pode facilitar na hora do nascimento.

A fisio me falou da experiência de parto dela. Ela fez toda a preparação para ter parto normal e evitar a episiotomia, mas não escapou da episio. O bebê estava com a mão na cabeça e a médica optou por cortar em função do desgaste físico da mamãe.

Sobre os exercícios que podem ajudar no parto ela citou o agachamento. Disse para eu começar com 15 por dia (depois ir aumentando até 25, 30). Além disso, disse que ficar na posição de cócoras por alguns minutos diariamente é bom para fortalecer a região do períneo. Para passar o tempo a sugestão é ler uma revista de cócoras (cena um tanto bizarra, mas acho que vale a tentativa).

Para encerrar, outra recomendação é a massagem perineal. A técnica reduz a incidência de lacerações do períneo e da vagina e trabalha a elasticidade dos músculos e tecidos vaginais inferiores.

Eu nunca tinha ouvido falar na tal da massagem, mas pesquisei bastante na internet. Achei um blog bem interessante, não só sobre o assunto, mas em relação a outros aspectos da gravidez e do parto também. AQUI o link para quem se interessar.

Agora é fazer tudo direitinho e esperar. Mais 10 semanas…