Arquivo da tag: vacina

O frio e o bebê em camadas

O inverno mal começou e eu já estou de saco cheio. Na verdade eu até gosto do frio, porém com bebê as coisas mudam. O Vítor nem completou 3 meses e já teve gripe duas vezes. Sem falar na preocupação com a gripe A, já que ele tem menos de 6 meses e não pode fazer a vacina (aliás, eu garanti a minha ontem, a vacina já está em falta em alguns postos de saúde do Rio Grande do Sul).

A verdade é que no Brasil não temos estrutura para enfrentar o frio (nem ao menos nos estados onde o inverno é mais intenso). O que fazer então?!

Bom, aqui em casa temos ar condicionado no nosso quarto e uma estufinha pequena móvel. Isso quebra o maior galho, principalmente na hora do banho.

Se está muitooo frio (o frio de renguear cusco* que a Mariana do Diário de Bordo comentou esses dias) acabo dando o banho do Vítor no nosso quarto. Se a temperatura está mais ou menos dou no quartinho dele mesmo, mas com a estufa ligada.

E na hora de vestir o bebê a mamãe se mostra uma verdadeira ninja. Já deixo tudo separadinho e tento colocar a roupa o mais rápido possível. E dá-lhe roupa! São peças que não acabam mais.

Começo com um pijaminha e com as meias. Depois coloco calça e básica de lã. Por cima a roupinha escolhida e um casaquinho. Para finalizar os acessórios necessários: touca, luva e pantufa.

UFA! No fim o Vítor parece um boneco de neve, pobrezinho… pelo menos não passa frio!

* Segundo o tio Wikipédia a expressão “frio de renguear cusco” significa “frio tão intenso que pode deixar um cachorro mancando”.

Das coisas que apenas os pais entendem

– A felicidade quando aquele maldito pum/cocô finalmente sai (depois do bebê se contorcer por horas e horas).

– O malabarismo de sair de casa com bolsa, carteira, bebê conforto, criança, chave, máquina fotográfica, filmadora e bolsa do baby.

– O sonho de conseguir ser pontual.

– A importância de ter sempre roupa extra na bolsa do bebê (kit completo).

– As manobras para colocar o pequeno no berço ou carrinho sem acordá-lo.

– A dor de uma vacina naquele bracinho/perninha gorducho(a).

– A tranquilidade de falar sobre vômito, cocô e outros assuntos do gênero durante as refeições.

– A supremacia da frase: “Não se mexe em quem está quieto”.