Arquivo da tag: cachorro

Curtas antes da praia

Este fim de semana Vítor vai conhecer a praia. Vai ser uma viagem curtinha, domingo já estaremos de volta. Mas não vejo a hora de ver o primeiro contato dele com a areia e com o mar. Pelo que conheço meu filho vai amar e não querer mais ir embora!

***

Sobre o bebê no chão comecei a desencanar. Tô indo aos poucos, tentando cuidar mais da limpeza da casa para não me sentir tão mal de deixar o Vítor no chão. Confesso que é difícil, principalmente porque o baby cachorro fica em cima do baby gente. É tanto beijinho e tanto amor que tenho que ficar de olho. Então vamos indo, um pouquinho a cada dia, até porque uma hora o Dexter vai acostumar com o Vítor circulando por aí e vai parar de encher o saco dele.

***

Noite passada o sono do Vítor foi um pouco melhor. Ele não acordou tantas vezes, porém não gosto de contar vitória antes do tempo. Em relação aos comentários, penso que a situação aqui em casa não é dente. Talvez pode ser um salto de desenvolvimento.

Vítor está tentando engatinhar e em breve deve começar a sair de fato do lugar. Por enquanto só ensaios. É uma hipótese que o que mexeu com o sono dele foi este marco de desenvolvimento. Vamos aguardar cenas dos próximos capítulos para tentar tirar uma conclusão mais objetiva.

***

E para encerrar uma foto do meu furacão e seu parceiro inseparável, o Dexter.


Bom fim de semana!

Anúncios

Bebê no chão

Vítor ainda estava na barriga quando eu e o Fábio decidimos que queríamos uma família kit completo, com direito a mãe, pai, bebê e cachorro. A gente sabia que daria trabalho, mas era o nosso objetivo.

A primeira providência foi procurar um cachorro que se adaptasse ao nosso estilo de vida (leia-se: em apartamento). Era importante também que fosse um animal dócil e amigável, especialmente com crianças.

Decidimos pela raça Lhasa Apso e não nos arrependemos. O Dexter é extremamente carinhoso com o Vítor, mas ao mesmo tempo não é carente nem exige a nossa atenção o tempo inteiro.

No entanto, o que tem me preocupado é em relação à fase que o Vítor está chegando: o período de engatinhar. O motivo do meu receio nem é em função do contato entre bebê e cachorro, mas sim do estado do chão.

Em primeiro lugar nosso apartamento é todo revestido com piso, o que é frio para deixar o Vítor direto no chão. Não temos tapete, pois pai e filho são extremamente alérgicos. Além disso, o Dexter solta MUITO pelo. Não adianta varrer a casa todos os dias (inclusive mais de uma vez), sempre acumulam umas bolinhas de poeira com pelo + cabelos nos cantos. Um saco!

E daí, o que eu faço? Quero estimular o Vítor a engatinhar e sei que na cama não é a mesma coisa. Porém não consigo desencanar e deixá-lo no chão. Alguma ideia? Como foi na casa de vocês, mães de filho baby e de filho cão?

E como vão as coisas?

Falei aqui da rotina louca de trabalhar em casa, cuidar do marido, bebê e cachorro (sem falar nas atividades domésticas, vulgo vida de funcionária do lar). Um mês passou e continua tudo praticamente na mesma. A única diferença é que eu comecei a relaxar e repetir o mantra let it be.

Prometi para mim mesma que não vou ficar deprimida se a casa não estiver impecável (nota-se que o conceito de impecável na minha casa significa tudo limpo máomenos). Além disso, fiz um acordo com o Fábio de que não vou mais dar indiretas pra ele me ajudar fazer as coisas por mim quando eu estou de mau humor.

E assim vamos levando. Sem faxineira (pois isso não te pertence mais!). Nadando em cabelos e pêlos e trabalhando pra caramba! Tem que ser forte!

Sobre cabelos e carecas

Eu achava que ia ser a única pós parida do planeta que não ia ficar careca. RÁ! Engano meu! Quase 4 meses depois do parto aqui estou: nadando em cabelos soltos pela casa.

Passo a vassoura ou o aspirador e a limpeza não dura 1 hora. Logo depois já estão lá os fios, “decorando” o piso branco. E como se não bastasse eles se juntam aos pêlos do Dexter. Bagunça completa, né?

Mas nem vou começar a falar em bagunça, senão me deprimo ainda mais. Não consigo manter nada no lugar por mais de 2 minutos. E a lei colegial do “pegou, guardou”, “acendeu, apagou”? Aqui não rola. Simplesmente porque no intervalo entre uma coisa e outra o bebê precisa de atenção, o cachorro começa a roer algum móvel, o telefone toca e assim por diante. Nunca consigo chegar na etapa 2 do processo.

E assim vamos levando a vida. Entre cabelos caídos e no desespero de ficar careca.

Afinal, família careca ninguém merece, né? Papai já tem umas entradas suspeitas (don’t kill me, honey), mamãe perdendo cabelo afu, Dexter também. E o Vítor?! Tá num momento careca parcial. Vejam vocês: