Arquivo da tag: alimentação

Introdução alimentar: agora vai

Comentei aqui e aqui sobre a introdução alimentar da Clara.

Começamos através do método BLW, que consiste no bebê experimentar com as próprias mãos sabores e texturas. No entanto, tudo num ritmo muito lento, seguindo com amamentação em livre demanda.

A Clara foi se familiarizando com os alimentos, especialmente legumes, vegetais e frutas. Ela come bem, do seu jeito, e fazendo uma bagunça básica. Adora brócolis, cenora, goiaba e banana.

Então, agora que ela já teve o primeiro contato e tem mais interesse pela comida, comecei a introduzir outros alimentos também com a colher, como arroz, feijão, lentilha, batata e sopa. Tudo sem amassar, já em consistência normal, apenas em pedaços menores. Assim, combinamos o BLW e a alimentação regular, com talheres.

De tal forma, também passei a não deixar mais leite materno quando vou trabalhar. Durante o período que fico fora, que nunca é superior a 4 ou 5 horas, ela come fruta como lanche. Tem funcionado bem e é uma delícia a carinha dela quando me vê chegando, com um sorriso enorme e ansiosa para mamar!

É… meu bebê tá crescendo.

DSC_0024

Anúncios

Escola x babá

Semana passada fui visitar uma amiga com bebê pequeno que está vivendo o dilema escola x babá.

Aqui em casa tivemos as duas experiências. O Vítor começou a adaptação na escola com 4 meses e permaneceu até quase 2 anos. Já a Clara ficou comigo direto até praticamente 6 meses e agora fica com a babá quatro manhãs por semana.

O que eu percebo, como principal diferença, é no que se refere às doenças. Frequentando a escola, é inevitável que as crianças fiquem mais expostas e vulneráveis. O Vítor, no primeiro ano de vida, teve virose (mais de uma), gripe, bronquiolite e catapora (que eu me lembre!). Já a Clara, com 8 meses, está na sua segunda doencinha. Ela teve no primeiro mês de vida uma crise de bronquiolite e agora está com sinusite.

Entretanto, cada situação é muito particular. Abaixo uma lista com tópicos que considero importante avaliar na hora de decidir entre uma escola ou uma babá:

– Segurança: a escola é confiável? E a babá? Buscar referências sempre, para ambos os casos.
– Alimentação: a alimentação é saudável e adequada na escola? Em casa, eu continuarei sendo a principal responsável pelo que os meus filhos vão comer, pois a babá vai oferecer o que eu comprar e orientar.
– Financeiro: o que é mais em conta? Uma mensalidade ou um salário? Isso varia muito, também em função do número de filhos e do número de horas (aqui, por exemplo, um salário é mais em conta do que duas mensalidades de meio turno).
– Localização: a escola é perto de casa ou do trabalho? É importante avaliar o tempo de deslocamento, principalmente em grandes cidades. Com a babá existe o conforto de não precisar tirar as crianças de casa, especialmente no inverno.
– Atenção individual: qual o tamanho da turma na escola? A professora tem condições de observar e atender a criança também na sua individualidade?
– Ambiente externo: a escola possui ambiente ao ar livre? As crianças fazem atividades nesse espaço? Eu considero isso muito importante, pois moramos em apartamento e nem sempre conseguimos proporcionar atividades externas com regularidade.

Enfim, como eu disse, cada caso é muito particular. Além do contexto da família, é importante avaliar a idade e as características da criança.

Mas, por enquanto, o que posso dizer é que nossa experiência com babá está sendo muito positiva.

Escrevi mais sobre o assunto em: A opção de ter uma babá.

Segunda-feira clássica

– Com início de dieta e fruta na bolsa para o lanche da manhã (vamos ver se a motivação dura até o lanche da tarde).

– Acordando mole de tanto sono e prometendo dormir mais cedo.

– De olho no tempo que as crianças passam na frente da televisão, afinal, volta e meia acaba todo mundo grudado na tela luminosa (inclusive papai e mamãe).

– Com check list de prioridades no trabalho e colocando tudo em dia.

– Com promessas de caminhadas e exercícios físicos.

Quem vem comigo?

(E alguma aposta de até quando vai durar tanto ânimo?)

As aventuras de Clara no mundo comestível

Prometi voltar para contar como está sendo a introdução alimentar da Clara. Pois bem, aqui estou. No entanto, antes de mais nada, preciso reconhecer que o processo está lento, quase parando.

Na verdade, é um misto de preguiça e receio. A amamentação está tão bem estabelecida que não dá vontade de mudar nada. Além disso, eu sinto como se não estivesse na hora. É uma conclusão sem muito embasamento, apenas guiada pelo meu feeling materno.

Então, estamos indo bem devagar, respeitando o tempo da Clara e observando como ela está lidando com a nova fase.

Eu tenho incentivado a introdução (ou o projeto de introdução) com base no BLW. Até agora, a Clara já deu umas lambidas em banana, uva, maçã, brócolis e cenoura. Tudo sem muita ordem e critério.

Ela fez cara feia para as frutas e aceitou um pouco melhor os legumes. O brócolis foi o favorito. Ela segura bem direitinho o cabinho e leva até a boca para chupar.

Aqui, um registro dela “comendo” tiras de maçã em um pratinho.

O prato fez mais sucesso que a maçã

O prato fez mais sucesso que a maçã

E assim seguimos… lembrando sempre que até 1 ano a alimentação é complementar e o leite materno o principal alimento para o bebê. Então, sem pressa.

Nada de papinhas e sopas: introdução alimentar e BLW

Nas minhas pesquisas e leituras sobre o universo infantil descobri algo novo que me deixou totalmente encantada: o BLW (Baby-Led Weaning), a introdução alimentar guiada pelo bebê. Trata-se de deixar a criança explorar as texturas e os sabores dos alimentos com as próprias mãos, a partir dos 6 meses. O método é uma alternativa às papinhas e sopas, geralmente oferecidas pelo cuidador com uma colher.

Alguns princípios do BLW:

– Amamentação como base: a fase inicial da alimentação, a partir dos 6 meses, consiste em uma experimentação. Assim, o leite materno deve continuar sendo a base alimentar do bebê. O resto é complementar.

– Descoberta da comida: o BLW permite que o bebê utilize o seu desejo de explorar, de experimentar e de imitar as atividades dos outros. Assim, a criança define o ritmo de cada refeição e prepara-se para a transição para os sólidos da forma mais natural possível.

– Experiência completa: bebês que comem sozinhos têm mais do que apenas o sabor do alimento para focar – experimentam também textura, cor, tamanho e forma.

Dicas práticas para começar o BLW:

  1. Coloque o bebê sentado no colo ou em uma cadeira específica.
  2. Ofereça o alimento e deixe o bebê livre para manuseá-lo.
  3. Comece com alimentos fáceis de pegar, como palitos de cenoura.
  4. Faça com que o bebê participe da refeição familiar.
  5. Escolha momentos em que o bebê não esteja cansado ou com fome, para que ele possa se concentrar.
  6. Continue amamentando ou oferecendo a fórmula como antes. O leite ainda é a principal fonte de nutrientes do bebê, até o primeiro ano de vida. Quando ele precisar mamar menos, vai reduzir por si mesmo.
  7. Disponibilize água durante as refeições.
  8. Não apresse ou distraia o bebê enquanto ele estiver lidando com o alimento.
  9. Não coloque comida na boca do bebê e não tente convencê-lo ou forçá-lo a comer mais do que ele quer.

Adaptado do livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food, de Gill Rapley.

Já conheciam o método? O que acharam?

Eu gostei bastante e para mim fez muito sentido. Inclusive, começamos algumas tentativas com a Clara. No próximo post conto mais como está sendo o processo de introdução alimentar aqui em casa.

Exemplo e alimentação

Meus pais não tomavam café da manhã quando eu era criança. Eu tenho dificuldade de comer quando acordo até hoje.
Meus pais não tinham o hábito de ingerir alimentos integrais. Eu não troco com naturalidade um pão branco por um integral.
Eu tenho foto com cerca de um ano e uma mamadeira de Coca-Cola ao lado. Atualmente, preciso me controlar para deixar refrigerante só para o fim de semana.

Enfim, a lista de situações é grande, mas acho que pelas três acima já dá para entender aonde eu quero chegar: somos o reflexo da aliementação da nossa família. Sim, pais são exemplos em diversos aspectos, entre eles no assunto hábitos alimentares.

Tendo isso em mente, percebi que chegou o momento do “ou vai ou racha” para mim. Com dois filhos pequenos em casa, não podia mais encarar a postura do “foda-se, a alimentação é minha e eu como o que eu quiser”. Não mesmo, a alimentção virou nossa, pois o que eu coloco na boca chama a atenção dos meus filhos, que vão querer o mesmo.

Quero que meus filhos comam salgadinho?
Quero que meus filhos comam fritura?
Quero que meus filhos tomem refrigerante?

Não.

Então eu não vou comer/tomar também.

O processo interno que me levou a toda reflexão e mudança de atitude no quesito alimentar é bem complexo. Vejam bem, eu nunca me considerei magra. Nunca, desde que eu me lembre, eu gostei do meu corpo e estive satisfeita com meu peso. Mas só agora, com um pouco mais de maturidade, percebi que a história vai muito além do peso, como nos mostra um documentário que foi um verdadeiro soco no estômago para mim (produção que, aliás, veio no momento mais oportuno possível para eu me fortalecer nas minhas escolhas).

De tal forma, assumi na minha casa uma postura diferente: cortei industrializados (como molho de tomate, sucos prontos, lanches congelados), reforcei o consumo de frutas, legumes e vegetais e troquei produtos como arroz, macarrão e pão por versões com grãos ou integrais.

Refrigerante já era raro, agora controlamos em todos os lugares que vamos. Fritura nunca fizemos, agora também evitamos em restaurantes e eventos. Bolachas recheadas e salgadinhos são coisas que o Vítor nem sequer conhece (e se depender da gente vai continuar sem experimentar por um bom tempo).

Somos radicais? Considero que não, pois existe uma flexibilidade e uma abertura para excessões. A questão é modificar a regra geral, para a consolidação dos hábitos.

É difícil? Sim, e muito, na minha opinião. É difícil reeducar o paladar, é difícil procurar novas receitas e alternativas, é difícil encarar horas na cozinha fazendo algo que dá para comprar congelado e jogar por 15 minutos no forno. É um exercício diário, que exige persistência. De qualquer forma, penso que vale a pena. Vale por mim, pelas crianças, pela nossa família. Vale pela qualidade de vida que podemos ter. Eu estou fazendo o investimento.

Praia com bebês

Agora que fiz viagens diversas com o Vítor (pequenas, médias, de carro, de ônibus e de avião) já me sinto expert no assunto. Tanto que a ida para a praia foi muito tranquila. Na verdade o único porém foi que pela primeira vez o baby estranhou um lugar diferente e não queria dormir de jeito nenhum. Foi uma batalha. Meu pequeno genioso se jogava para trás, berrava e esfregava o rosto louco de sono, mas nada de adormecer. Depois de entupir a criança de leite, água, embalar, colocar no carrinho, ninar no colo e ouvir centenas de pitacos da bisa, que também estava com a gente, ele finalmente se entregou.

No entanto, pulando esta parte não podemos reclamar. Deu para curtir bastante, apesar de ter sido uma viagem de apenas dois dias. Abaixo algumas observações e como nos organizamos.

* Malas: como seriam apenas dois dias fora a meta era levar uma mochila de cada um (mamãe, papai, bebê). Porém, óbvio que as coisas do Vítor estrapolaram o espaço determinado e viraram três bolsas médias. Melhor assim do que correr o risco de se apertar, afinal fomos para uma praia pequena e sem muita estrutura (sem farmácia, lojas e supermercado perto, por exemplo). Sendo assim, o porta-malas ficou pequeno, considerando que levamos o carrinho mega blaster gigante junto, não o de passeio. Mas nada que um empurra aqui, aperta ali não resolvesse.

* Trajeto: a viagem da nossa cidade até o litoral dura cerca de três horas, sem considerar movimento. Como pegamos um pouco de trânsito em Canoas fizemos o percurso em quase quatro horas. Paramos apenas uma vez para comer, mas o Vítor não pediu nada. Tinha dado mamadeira antes de sair e troquei a fralda. Assim no carro não tivemos nenhum problema. De qualquer forma levei junto um lanchinho, para caso de emergência.

* No carro: Vítor não tem problemas com a cadeirinha e geralmente não chora nem reclama. Nesta viagem não foi diferente. Foi o tempo todo comportado, tirou duas sonecas e no restante do tempo ficou olhando os outros carros pela janela.

* Noite: levamos o carrinho para ajudar a fazer o Vítor dormir, porém não o deixamos ali.Ficamos em um quarto com uma cama de casal e uma de solteiro. A solução foi o Fábio pular para a de solteiro e o Vítor ficar na de casal comigo. Encostamos o box na parede e fizemos uma proteção com uma cobertinha. Assim não corremos o risco dele cair da cama.

* Praia: o plano era chegar na beira da praia o mais cedo possível, para evitar o horário de sol forte. Porém o máximo que conseguimos foi por volta das 9h30min, pois o Vítor brigou para dormir à noite, mas de manhã queria mais era ficar na cama. Enchi o pequeno com protetor solar fator 60 e lá fomos nós, ver o baby comer areia. E não é que ele adorou? Foi na areia, na água, destruiu os castelinhos da tia Rafa, provou milho verde e brincou até cansar.

* Alimentação: neste ponto não tivemos alterações. Meio dia ele comeu arroz e feijão com a gente e para a janta a bisa tratou de fazer uma sopa gostosa. Como sempre, Vítor mandou bem e devorou a comida (é bem meu filho mesmo, não nega nada!).

* Retorno: na volta o Vítor dormiu a viagem inteira. Três horas de uma soneca revigorante. Nada como cansar os filhos de tanto brincar, né?