Arquivo mensal: agosto 2012

O fim

A espera pela Clara tem sido marcada por uma serenidade única. Obviamente, estou na expectativa pelo nascimento, mas é tão diferente da primeira vez…

No final da gravidez do Vítor eu estava insuportável, tanto que quase optei por induzir o parto um dia antes dele resolver nascer. Hoje, apenas agradeço por não ter deixado a ansiedade tomar conta e ter seguido minha intuição de esperar.

Espera que agora passa num ritmo até rápido demais. Tenho uma lista de coisas para fazer, para passar o tempo e deixar tudo em dia. No entanto, vejo que não vou conseguir vencer tópico por tópico, isso que nem é tanta coisa assim.

Acontece que tenho me permitido curtir o momento atual, sem muita neura. Vítor teve virose na última semana e aproveitei para ficar com ele. Quando o pequeno melhorou e voltou para a escola eu me dei o luxo de dormir uma tarde inteirinha (vejam bem, sozinha em casa, sem barulho nenhum, um verdadeiro luxo para qualquer mãe!).

Então assim vamos indo, um dia de cada vez. Curtindo o fim. Fim da gravidez, da vida de mãe de um, de uma fase familiar incrível que foi a chegada do nosso primeiro filho. Vamos ver se o próximo post já não vai ser de começo…

“O fim é lindo. Do crepúsculo, de uma vela, de uma chuva. O fim é esperançoso, exigente. Pancadas de beleza. O som e o sol pulam como um suicida ao avesso para dentro da vida” (Carpinejar)

Anúncios

Vocabulário bebezístico

Meu bebê de 1 ano e 4 meses começou a descobrir as palavras. Ele já falava algumas sílabas, mas tudo muito aleatório, nem sempre conectado com algum significado direto (mas vai que pra ele fazia sentido, né?).

Agora aponta para o que quer, faz alguns pedidos pra gente, já expressa as suas vontades. Sem falar que entende tudo que dizemos. Se pedimos para deitar ele vai indo com o corpo para trás, se queremos que ele nos alcance algum brinquedo ele já sabe exatamente do que se trata.

É uma delícia interagir com ele e acompanhar tamanha descoberta linguística e pessoal. Meu bebê começa a se tornar criança!

Então, para registrar, deixo aqui o atual vocabulário bebezístico do Vítor:

– Auau: cachorro
– Vô: vovô e bisavô
– Bol: bola
– Papa: papai
– Mamãe: mamãe
– Tetê: mamadeira de leite
– Mama: mamadeira de água, suco ou qualquer comida
– Popó: Galinha Pintadinha
– Uio: Júlio, do Cocoricó
– Um: é para ser algo tipo “vrum”, que significa carro
– Pipi: passarinho

Como personalizar o carrinho do bebê

Com um pouco de talento, tecidos e uma máquina de costura é possível deixar o carrinho do bebê com um toque todo especial.

Como eu não tenho nem talento, muito menos máquina de costura, agradeço pelo presente lindo, feito pela minha tia para a Clara (a mesma tia que fez os enfeites de porta para o quarto, tanto o do Vítor quando o da Clara).

Então era uma vez um carrinho…


Que com um protetor ganhou uma cara totalmente nova…


Com opção no vermelho também…


Gostaram? Diante de coisas assim que eu penso: como eu queria ter alguma (uma que fosse) habilidade manual!

Tempo, tempo, tempo

O blog ficou meio abandonado nos últimos tempos. Falta vontade de escrever, embora não falte o que contar e compartilhar.

Chegamos na reta final da gravidez. Já parei de trabalhar e estou em casa colocando alguns trabalhos do mestrado em dia. As coisinhas da Clara estão prontas. No fim de semana arrumei as malas da maternidade e agora é uma questão de tempo. Tempo para ela decidir o momento certo de nascer. Tempo para ela resolver chegar.

Tempo também para o Vítor se adaptar. Imagino que não vai ser fácil. Ele tem uma personalidade muito forte, é incrivelmente ciumento e teimoso. Continua mordendo e batendo. Eu achei que a situação tinha melhorado, mas voltou a piorar. Em alguns momentos fico totalmente sem chão, sem saber o que fazer e como agir. Óbvio que a culpa aproveita a oportunidade e surge com tudo. Culpa por não estar dando conta do recado. Culpa por saber que daqui uns dias vou ter um recém nascido em casa e que daí o bicho vai pegar.

Volto com notícias. Em breve (ou nem tanto).