Arquivo mensal: março 2012

Utilidade materna

Um post de utilidade materna.

Pelo visto não sou só eu que tenho dúvidas em relação aos pontos descritos aqui. Tanto que resolvi juntar os pitacos de todas as mamães queridas que passaram pelo blog e deixaram a sua contribuição.

Vem comigo!

1 – Briga para sair do banho.

Pelo visto esta questão é praticamente universal (e sem solução). Algumas sugestões para tentar amenizar o drama (é possível que mesmo tentando todas as opções você continue ouvindo um berreiro sem fim e sendo chutada): conversar com a criança, explicar que está na hora de sair do banho, tentar distrair o pequeno polvo, oferecer um brinquedo, cantar.

2 – Bebê sem coberta. Outro problema que parece não ter fim próximo. Mas adorei a sugestão do sleeping bag (inclusive já estou atrás de alguém que traga um lyndo e phyno do exterior pro Vítor). Enquanto não arrumo um, a solução é agasalhar bem o baby e nos dias mais frios ligar aquecedor.

3 – Bebê trancado no berço. Duas alternativas: colocar protetor ou até tirar o berço, como a Débora relata aqui que fez. Eu vou seguir sem protetor e ver se a situação continua. Ainda não tomei nenhuma decisão.

Anúncios

Das perguntas que só eu tenho

Existem algumas perguntas que nunca vi nenhuma mãe fazer. Não sei se o problema é aqui em casa ou se são coisas pequenas que passam batidas para outras famílias. Alguém me ajuda?

1 – Banho. Vítor adora o banho. Mas na hora de sair é uma guerra. Mas não é do tipo ele chora. Não. Ele se desespera. Grita, berra, me chuta, joga tudo no chão. Colocar a roupa é uma tarefa que exige MUITA paciência e uma boa dose de esforço físico. Agora a pergunta: o que fazer? Vai ser assim para sempre? Juro que achava que ia passar, ele iria acostumar, porém já faz tempo que a situação se repete.

2 – Sono. Vítor dorme muito bem, mas se mexe muito. Deito ele de um lado e quando vou ver ele está no pé do berço, todo virado. Até aqui tudo bem. A questão é: não tem lençol ou coberta que pare em cima do moço. Como vai ser no inverno? Qual a solução? Por mais que eu encha ele de roupa, no friozão não vai ser suficiente (sem falar que é um saco dormir igual boneco de neve). Alguma ideia ou simplesmente amarro ele na cama?

3 – De novo o sono. No vira pra cá e pra lá da noite o Vítor acaba trancando a perna, o pé ou o braço nas grades do berço. Tem vezes que chega a acordar chorando desesperado por não conseguir se virar e assim acaba se machucando. Sei que alguém vai dizer: “Usa protetor de berço”. Mas e aquele papo de que é mais seguro um berço sem nada para o bebê? Até tenho protetor, mas ele é pequeno, mais para cabeceira da cama. Como faz?

Respire

Quando tudo parecer caótico, apenas respire e tire um cochilo. Não existe bagunça que não possa ir para o lugar, sujeira que não possa ser limpada e livro que não possa ser lido de forma dinâmica.

***

Estes são os ensinamentos da semana. Trilha sonora para acompanhar e dançar loucamente:

“Relax, take it easy
For there is nothing that we can’t do”

***

Olá, sábado! Eu esperei ansiosamente pelo senhor. Bom fim de semana!

Uma noite daquelas

Louça na pia, chão virado em pó, sujeira e cabelos. Na geladeira uma pizza velha e no armário as opções são reduzidas a miojo. Não, eu não sou uma universitária que mora sozinha. Sou uma mãe que não consegue dar conta de tudo. Por tudo entende-se trabalho, marido, filho, cachorro e mestrado. Observe que os itens da lista não estão em ordem de prioridade.

Hoje foi uma noite daquelas. Além da bagunça, bebê chatinho e mãe irritada. Ou seria simplesmente mãe irritada? É possível, pois minha mente de grávida altamente perturbada pode manipular as situações e fazer com que eu imagine coisa onde não tem.

Daí que tudo me tira do sério. Bebê briga com um prato de arroz, feijão e carne (sim, ele tinha uma marmita garantida), mas enlouquece quando vê o meu miojo (vai entender, né?). Ele também tá na fase de jogar qualquer objeto no chão mil vezes. Eu junto, devolvo, ele joga de novo. Se eu não pego ele fica furioso e começa a bater na própria cabeça ou se jogar para trás. Posso com isso?

Como se não fosse suficiente, depois de alguns meses com o pipi comportado, Vítor resolve fazer xixi no trocador quando tiro a roupa e a fralda para levá-lo pro chuveiro com o pai. Foi a coroação da noite!

Isso sem falar no livro que preciso ler pra quinta e nem tenho a cópia ainda, nos preparativos pro aniversário do Vítor e outras mil coisas na cabeça!

(Eu avisei que posts desabafos poderiam aparecer em breve. Eis o primeiro!)

Pé por pé

Cansado de engatinhar e arrastar a bunda pelo chão afora, Vítor começou a se arriscar na arte de caminhar. Primeiro ficava em pé apoiado em um móvel. Achou legal a parada e experimentou soltar as mãos. No início não aguentava mais de um segundo e logo sentava. Mas foi evoluindo e logo já aguentava um tempinho a mais, rindo todo feliz da façanha.

Acontece que hoje ele foi além e deu o primeiro passinho na minha direção. Chegou nos meus braços e sorriu. Um marco e tanto no seu desenvolvimento. Com certeza, no seu ritmo, e pé por pé, logo vai começar a caminhar. E a mãe aqui toda boba, de ter agora um bebê praticamente adolescente.

Money

Vítor ainda é pititico e não entende muita coisa de finanças e economia doméstica. Mas a mamãe aqui teve que rebolar depois que ele nasceu para aprender mais sobre regras de sobrevivência na selva financeira.

Um dos preciosos ensinamentos foi que moedas valem MUITO. Não acredita? Vem comigo que te mostro.

Escrevi aqui sobre o cofrinho que o Vítor ganhou e eu usei para depositar moedas soltas pela casa. Comecei em outubro e no final de dezembro ele já estava cheio. Em fevereiro decidi quebrá-lo para ver o quanto tinha conseguido juntar. Adivinhem? Três meses resultaram em R$ 90,90!

Achei um ótimo desempenho, considerando que foi algo sem compromisso. Usei o dinheiro para ajudar a pagar o pacote de fotografia que fechei para o aniversário do Vítor. Sem dúvidas um dinheiro bem investido!