Arquivo da categoria: Fofurices e travessuras

Sobre irmãos

Tem gente que acha que ter mais de um filho significa dividir. Dividir os gastos, a atenção, o tempo.

Sim, isso é um pouco verdade.

Mas eu, particularmente, prefiro encarar a matemática materna de outra forma. Ao invés de dividir a vida entre meus dois filhos, eu escolho multiplicar.

Acho que eles também, né?

Amor dobrado ao ver a cena.
DSC_0017 DSC_0019

Vítor: 2 anos de travessuras (e é só o começo)

Confira o top 5 de travessuras (registradas) do Vítor!

1 – Festa com o balde de lenço umedecido

Um segundo de descuido e o menino tira tudo para fora.

001
2 – Creme de assaduras transformado em creme corporal

Além do rosto, corpo e roupa, o sofá também foi vítima.

002
3 – Maizena na cama

Isso aconteceu 5 minutos antes da gente sair para viajar. Só o aspirador de pó que salva em momentos assim!

003
4 – Nova decoração

Vítor achou as paredes da casa muito sem graça e decidiu pintar de giz de cera verde.
004
5 – Come, mana!

No sábado pela manhã, eu estava sozinha com a dupla. Eis que vou pegar uma fruta para comer e o Vítor diz que quer banana. Entrego uma na mão dele e dois minutos depois, quando vou no quarto verificar o que ele e a irmã estão fazendo, vejo isso:
005
Bonzinho, não? Deu para a mana! Tive que até pedir para ele sentar com ela e registrar o momento.
006
É, minha gente. Logo, logo vão ser dois para aprontar. Daí que eu quero ver!

Vítor em… tagarelando

Palavra Cantada aqui em casa é “Patata”. Vítor simplesmente adora. Quando entra no carro, a primeira coisa que pede é o CD do “Patata”.

***

Eu virei a mamãe “Nanda” e o pai o papai “Fabo” (Fábio). Já a minha irmã é a “dida Rapipa” (dinda Rafinha).

***

Vítor adora mexer no meu celular. Dias atrás, ele o pegou e saiu apertando tudo que é botão. Do nada, surgiu uma voz masculina da programação de comandos de voz. O menino, extremamente surpreso, me olha, coloca o telefone no ouvido e diz: “Alô, pai?”.

***

Quando a Clara está chorando, Vítor chega perto, dá um beijinho e diz: “Não tola, mana”.

***

A cor da vez é “amalelo”. Primeiro ele confundia e indicava tudo como “amalelo”. Agora, já sabe diferenciar. No fim de semana, viu um Uno bem discretinho, tipo o da foto abaixo e exclamou, emocionado: “Amalelo”.

fiat-uno
Sem dúvidas, meu filho! E bota amarelo nisso!

Como assustar um casal sem filhos

Quer assustar um casal sem filhos? Convide-o para sair para jantar e leve as crianças.

Hoje passamos por isso. O saldo da noite foi:

VÍTOR

– Só falou NÃO. “Quer comer? Não”, “É o Mickey? Não”, “Chama a mana. Não”.

– Ninguém podia olhar ou sequer pensar em olhar para o menino que ele repetia o sonoro NÃO. Isso inclui os amigos que estavam com a gente e também as pessoas que trabalhavam no local, como a simpática garçonete (estou sendo irônica) que tentou interagir com meu filhote de onça e quase levou um tapa (e eu me pergunto: por que forçar a barra com uma criança, hein dona garçonete?).

– Chilique básico do moço com um copo de água.

– Depois de comer, correrias mil pelo local.

CLARA

– Lambeu os sachês de mostarda e os derrubou no chão (uma vinte vezes).

– Tentou rasgar o cardápio.

– Fez cocô e perfumou todo o ambiente com o adorável aroma de fralda. O restaurante não tinha fraldário e tive que deixá-la suja e fedendo por alguns minutos, até a hora de ir embora.

Pobre do casal sem filhos. Se eles nos evitarem daqui para frente… já sabemos o motivo.

Clara e o bolo

Hoje à tarde fui na casa da minha avó com as crianças e o Dexter, nosso cachorro. Na hora de ir embora, ela me deu um pedaço de bolo para que eu levasse para o Fábio.

Acontece que minha avó não achou nenhum pote plástico com tampa. Na pressa, eu disse para deixar sem tampa mesmo, que eu teria cuidado (tragédia anunciada depois da minha frase cheia de certeza!).

Enfim, seguimos para casa. Quando chegamos, tirei o Vítor e o Dexter do carro e os coloquei no chão. Peguei a Clara no colo e depois minha bolsa e o tal do pote com o bolo.

Fomos subir as escadas do prédio e me distrai por um instante para ajudar o Vítor. Adivinha o que aconteceu? A dona Clara enfiou a mão com tudo na cobertura do bolo.

Agora, imagina a cena: eu, com uma bolsa pendurada, a Clara no colo, tentando segurar a mão dela suja de chocolate e tendo que impedir o Vítor de subir sozinho. Ainda tinha o Dexter nos meus pés, apavorado com os meus gritos (pessoa histérica, a gente vê por aqui).

O Fábio nos ouviu, desceu e ajudou a resolver a situação. No fim, terminei com a blusa toda suja. E a Clara? Também se sujou todinha, tinha chocolate até perto da orelha. Sem falar que não perdeu a oportunidade de dar uma lambida na meleca. E nada de cara feia para o gosto do doce.

Criatividade e desenvolvimento infantil: protejam as paredes

O Vítor não vai na escola. Pela manhã fica com a babá e à tarde comigo. Sendo assim, tenho que sempre pensar em atividades e brincadeiras lúdicas para ele. Afinal, quando a criança fica em casa, é muito fácil cair no lugar comum e terminar com os pequenos na frente da televisão.

Uma das descobertas recentes é desenhar e pintar. No início, o Vítor não se envolvia muito, mas com o tempo começou a explorar o mundo de cores do giz de cera.

Na empolgação, comprei esta semana um pequeno kit de tintas. Em uma noite, antes do banho, dei o material para o Vítor e o deixei livre.

Ele simplesmente amou a experiência de pintar com os dedos! Foi muito divertido!

Concentrado

Concentrado

É ou não é um verdadeiro artista?

É ou não é um verdadeiro artista?

Acontece que explorar a criatividade dos filhos tem dois lados. Abaixo, um deles, nada interessante:

A parede estava muito sem graça, mamãe

Mamãe, a parede estava muito sem graça

Agora, vou ter que ter mais cuidado com o meu projeto de Monet, pois a criatividade dele não respeita contornos. Que continue assim! A parede a gente limpa depois.

As últimas do Vítor

Minha irmã mostra para o Vítor uma foto em papel, que eu tinha mandado revelar. Ele olha e diz “main”, que significa “mais”. Na mesma hora, coloca o dedo na foto e faz o movimento de passar a imagem, como se fosse touch screen. Eta geração tecnológica!

***

Família no supermercado. Lugar lotado. Fábio vai pegar as frutas e eu “estaciono” os carrinhos (um com cada filho) perto de uma prateleira com bolachas, para esperar. Acabo me distraindo com a Clara e nisso o Vítor pega um pacote de bolachas e abre com uma mordida. Enche a boca e fica com a embalagem embaixo do braço, como quem diz “é meu”.

***

Toda vez que o Vítor entra no carro ele diz: “cuca, pai”. Tradução: “música, pai”. Fofo!

Meu menino moleque!

Meu menino moleque!