Arquivo da categoria: Alimentação e receitas

Introdução alimentar: agora vai

Comentei aqui e aqui sobre a introdução alimentar da Clara.

Começamos através do método BLW, que consiste no bebê experimentar com as próprias mãos sabores e texturas. No entanto, tudo num ritmo muito lento, seguindo com amamentação em livre demanda.

A Clara foi se familiarizando com os alimentos, especialmente legumes, vegetais e frutas. Ela come bem, do seu jeito, e fazendo uma bagunça básica. Adora brócolis, cenora, goiaba e banana.

Então, agora que ela já teve o primeiro contato e tem mais interesse pela comida, comecei a introduzir outros alimentos também com a colher, como arroz, feijão, lentilha, batata e sopa. Tudo sem amassar, já em consistência normal, apenas em pedaços menores. Assim, combinamos o BLW e a alimentação regular, com talheres.

De tal forma, também passei a não deixar mais leite materno quando vou trabalhar. Durante o período que fico fora, que nunca é superior a 4 ou 5 horas, ela come fruta como lanche. Tem funcionado bem e é uma delícia a carinha dela quando me vê chegando, com um sorriso enorme e ansiosa para mamar!

É… meu bebê tá crescendo.

DSC_0024

Escola x babá

Semana passada fui visitar uma amiga com bebê pequeno que está vivendo o dilema escola x babá.

Aqui em casa tivemos as duas experiências. O Vítor começou a adaptação na escola com 4 meses e permaneceu até quase 2 anos. Já a Clara ficou comigo direto até praticamente 6 meses e agora fica com a babá quatro manhãs por semana.

O que eu percebo, como principal diferença, é no que se refere às doenças. Frequentando a escola, é inevitável que as crianças fiquem mais expostas e vulneráveis. O Vítor, no primeiro ano de vida, teve virose (mais de uma), gripe, bronquiolite e catapora (que eu me lembre!). Já a Clara, com 8 meses, está na sua segunda doencinha. Ela teve no primeiro mês de vida uma crise de bronquiolite e agora está com sinusite.

Entretanto, cada situação é muito particular. Abaixo uma lista com tópicos que considero importante avaliar na hora de decidir entre uma escola ou uma babá:

– Segurança: a escola é confiável? E a babá? Buscar referências sempre, para ambos os casos.
– Alimentação: a alimentação é saudável e adequada na escola? Em casa, eu continuarei sendo a principal responsável pelo que os meus filhos vão comer, pois a babá vai oferecer o que eu comprar e orientar.
– Financeiro: o que é mais em conta? Uma mensalidade ou um salário? Isso varia muito, também em função do número de filhos e do número de horas (aqui, por exemplo, um salário é mais em conta do que duas mensalidades de meio turno).
– Localização: a escola é perto de casa ou do trabalho? É importante avaliar o tempo de deslocamento, principalmente em grandes cidades. Com a babá existe o conforto de não precisar tirar as crianças de casa, especialmente no inverno.
– Atenção individual: qual o tamanho da turma na escola? A professora tem condições de observar e atender a criança também na sua individualidade?
– Ambiente externo: a escola possui ambiente ao ar livre? As crianças fazem atividades nesse espaço? Eu considero isso muito importante, pois moramos em apartamento e nem sempre conseguimos proporcionar atividades externas com regularidade.

Enfim, como eu disse, cada caso é muito particular. Além do contexto da família, é importante avaliar a idade e as características da criança.

Mas, por enquanto, o que posso dizer é que nossa experiência com babá está sendo muito positiva.

Escrevi mais sobre o assunto em: A opção de ter uma babá.

Braços e pernas em forma, mas a barriga…

Semana passada fui na nutricionista. Já estava mais do que na hora de assumir meu corpo atual para conseguir chegar no que desejo.

A questão nem é o peso extra pós-gravidez, pois eu consegui eliminar todos os quilos que ganhei nas duas gestações. O problema mesmo é a gordura que já existia antes e que insiste em me acompanhar.

A consulta foi daquele jeito que as primeiras consultas são: entrevista, conversa sobre hábitos alimentares e a temida hora das medidas e balança.

Confesso que o peso não me apavorou, estava dentro do que imaginava, assim como as medidas.

O que me deixou surpresa foi a avaliação das dobras cutâneas. Acreditam que fui elogiada? É! Braços e pernas super em forma. O motivo? Carregar um moço de 13 e uma moça de 9 quilos no colo para cima e para baixo e subir quatro andares de escada todos os dias, de duas a oito vezes. A vida de mãe tem lá suas vantagens, né?

Infelizmente, em relação a barriga, não posso dizer o mesmo. Ali tá caótico e gelatinoso o negócio. Não vai voltar nunca para o lugar??? Alguém me dá uma esperança?

Festa em casa: decoração e comidinhas

A decoração da festa de 2 anos do Vítor foi praticamente toda reaproveitada do ano passado. Eu guardei o que sobrou da papelaria feita pela TracoD, com a ilustração de macaquinho da Joana Heck. Apenas imprimi novamente o Z perdido do letreiro e coloquei em um barbante, usando prendedores de roupa para segurar.

DSC_0009
Também reutilizei as caixas encapadas com tecido poá azul, este ano para colocar os cupcakes, e os copos e pratos plásticos coloridos que restaram da festa de 1 ano.

DSC_0026
A única coisa nova que comprei para a decoração foi a torre azul, onde coloquei os copinhos de doces. Paguei menos de R$ 6,00 em uma loja de embalagens.

DSC_0014
O cardápio da festa era bem simples. Os salgados encomendei em uma padaria. Escolhi sanduíches e pizzas de frango e salgados fritos diversos. Já os doces foram feitos por mim, pela minha irmã e pela Paula, madrinha do Vítor. Fizemos copinhos com brigadeiro e mousse de limão e cupcakes de chocolate. Para completar, uma salada de frutas com morango, banana e maçã. Para beber, suco natural de maracujá e refrigerante.

DSC_0039
Optei por fazer os copinhos, pois não tive tempo para organizar a festa. Para vocês terem uma noção, marquei com os convidados às 17h30min. Os cupcakes foram tirados do forno as 17h25min. Ou seja, foi tudo muito rápido e, por isso, precisava ser o mais prático e simples possível.

Quantidades

Participaram da festa 14 adultos e 3 bebês. Encomendei 50 sanduíches, 50 salgados fritos e 30 pizzas. Fiz 50 copinhos de doces, aproximadamente 30 de brigadeiro e 20 de limão, e mais ou menos 30 cupcakes pequenos.

Os copinhos e as colheres comprei em uma loja de embalagens. Paguei R$ 0,30 a unidade do copo e R$ 3,00 um saquinho com 50 colheres.

A quantidade foi ideal. Sobrou, mas nada exagerado (e tudo devidamente comido no dia seguinte e repartido com colegas de trabalho da mamãe e do papai).

Receitas 

Para o brigadeiro, usei 3 latas de leite condensado e achocolatado em pó. Fiz o brigadeiro normalmente, na panela, e quando estava pronto misturei 2 caixas de creme de leite. Mexi até ficar uma consistência mais cremosa e coloquei nos copinhos.

Já o mousse de limão foi feito com 1 lata de leite condensado, 1 caixa de creme de leite e o suco de 2 limões. Basta bater tudo no liquidificador e pronto! Receita super fácin.

A receita do cupcake já foi publicada no blog (aqui). Apenas troquei achocolatado por cacau em pó. Ficou uma delícia! A cobertura é meia lata de creme de leite misturada em banho maria com 1 barra de chocolate meio amargo.

As aventuras de Clara no mundo comestível

Prometi voltar para contar como está sendo a introdução alimentar da Clara. Pois bem, aqui estou. No entanto, antes de mais nada, preciso reconhecer que o processo está lento, quase parando.

Na verdade, é um misto de preguiça e receio. A amamentação está tão bem estabelecida que não dá vontade de mudar nada. Além disso, eu sinto como se não estivesse na hora. É uma conclusão sem muito embasamento, apenas guiada pelo meu feeling materno.

Então, estamos indo bem devagar, respeitando o tempo da Clara e observando como ela está lidando com a nova fase.

Eu tenho incentivado a introdução (ou o projeto de introdução) com base no BLW. Até agora, a Clara já deu umas lambidas em banana, uva, maçã, brócolis e cenoura. Tudo sem muita ordem e critério.

Ela fez cara feia para as frutas e aceitou um pouco melhor os legumes. O brócolis foi o favorito. Ela segura bem direitinho o cabinho e leva até a boca para chupar.

Aqui, um registro dela “comendo” tiras de maçã em um pratinho.

O prato fez mais sucesso que a maçã

O prato fez mais sucesso que a maçã

E assim seguimos… lembrando sempre que até 1 ano a alimentação é complementar e o leite materno o principal alimento para o bebê. Então, sem pressa.

Nada de papinhas e sopas: introdução alimentar e BLW

Nas minhas pesquisas e leituras sobre o universo infantil descobri algo novo que me deixou totalmente encantada: o BLW (Baby-Led Weaning), a introdução alimentar guiada pelo bebê. Trata-se de deixar a criança explorar as texturas e os sabores dos alimentos com as próprias mãos, a partir dos 6 meses. O método é uma alternativa às papinhas e sopas, geralmente oferecidas pelo cuidador com uma colher.

Alguns princípios do BLW:

– Amamentação como base: a fase inicial da alimentação, a partir dos 6 meses, consiste em uma experimentação. Assim, o leite materno deve continuar sendo a base alimentar do bebê. O resto é complementar.

– Descoberta da comida: o BLW permite que o bebê utilize o seu desejo de explorar, de experimentar e de imitar as atividades dos outros. Assim, a criança define o ritmo de cada refeição e prepara-se para a transição para os sólidos da forma mais natural possível.

– Experiência completa: bebês que comem sozinhos têm mais do que apenas o sabor do alimento para focar – experimentam também textura, cor, tamanho e forma.

Dicas práticas para começar o BLW:

  1. Coloque o bebê sentado no colo ou em uma cadeira específica.
  2. Ofereça o alimento e deixe o bebê livre para manuseá-lo.
  3. Comece com alimentos fáceis de pegar, como palitos de cenoura.
  4. Faça com que o bebê participe da refeição familiar.
  5. Escolha momentos em que o bebê não esteja cansado ou com fome, para que ele possa se concentrar.
  6. Continue amamentando ou oferecendo a fórmula como antes. O leite ainda é a principal fonte de nutrientes do bebê, até o primeiro ano de vida. Quando ele precisar mamar menos, vai reduzir por si mesmo.
  7. Disponibilize água durante as refeições.
  8. Não apresse ou distraia o bebê enquanto ele estiver lidando com o alimento.
  9. Não coloque comida na boca do bebê e não tente convencê-lo ou forçá-lo a comer mais do que ele quer.

Adaptado do livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food, de Gill Rapley.

Já conheciam o método? O que acharam?

Eu gostei bastante e para mim fez muito sentido. Inclusive, começamos algumas tentativas com a Clara. No próximo post conto mais como está sendo o processo de introdução alimentar aqui em casa.